Postagens populares e evangélicas

Loading...

Páginas

Noticias.......Já!

Loading...

sábado, 28 de março de 2015

Não adiantará nada cuidar da igreja e perder sua família.


Pastor, cuide de sua família !




 
Não há ministério pastoral que resista se a família do pastor estiver desmoronando, ruindo, e pior, sem que ele perceba.
Portanto, caro pastor, cuide de sua família, antes mesmo da igreja que pastoreia. Não adiantará nada cuidar da igreja e perder sua família. Lembre-se que sua família é a primeira igreja que pastoreias.
 
 
 
E lembre-se também que o inimigo sabe que se destruir sua família, destruirá seu ministério.
Não seja negligente a ponto de esquecer isso. Vigie e cuide para que isso não ocorra.
 
Quando estiveres na igreja local, em um culto ou alguma atividade e lá não encontrar seus filhos ou até mesmo sua esposa, pergunte a si o que foi que ocorreu. O que não está dando certo? Por que eles não estão aqui comigo?
Faça essas perguntas e outras mais.
 




Onde estão seus filhos?
Como está sua esposa?
Você tem ouvido seus filhos?
Você tem apascentado sua esposa?
Quando foi a última vez que conversou com seus filhos?
Quando foi a última vez que ouviu de verdade sua esposa?

Quando foi a última vez que disse que amava sua esposa e demonstrou isso de forma objetiva e não simplesmente por palavras lançadas ao vento?
Será que sua família não está triste e incomodada com suas atitudes e rotina?
 
Você tem estado presente em seu lar ou
a igreja virou sua casa?
 
Pastor, a igreja não é a sua casa nem os irmãos são seus filhos e esposa.
 
Não inverta as prioridades, pois isso lhe trará imensos sofrimentos. Há lugar e tempo para os dois, não negligencie sua família em prol da igreja.
A própria igreja local lhe agradecerá, pois um pastor com uma família unida e abençoada, abençoa a igreja local do qual faz parte e pastoreia.


 Cuide de sua família, pastor, ou a perderá.

 
 
Seus filhos procurarão outros ouvidos e se perderão nos enganos de pessoas usadas para destruir suas vidas. Sua esposa poderá se tornar amarga e triste porque não tem em seu marido o amigo que deseja e que precisa e muito menos o homem que a faz feliz como mulher.
Pense nisso, caro pastor, pense nisso e comece a agir enquanto ainda dá tempo.
Do contrário, perderá sua família.
E não haverá ministério ou serviço na igreja que irá minimizar a dor dessa perda. Com a perda de sua família, perderá inevitavelmente seu ministério, e por fim, sua paz.
Aqui vai algumas sugestões práticas:
 
a) Vá passear com sua família (esposa e filhos), se divirtam juntos, brinquem, riam...
b) Vá passear com sua esposa (só você e ela). Escolha um lugar que ela goste, se divirtam juntos, brinquem, namorem...
c) Controle sua agenda na igreja de tal forma que reserve um bom tempo com a família. Explique isso à igreja. Ela entenderá (ou terá que entender) que tem também obrigações em seu lar.
d) Converse com sua família. Converse com sua esposa (deixe ela falar, não monopolize o diálogo). Converse com seus filhos (principalmente se forem jovens ou adolescentes), eles precisam partilhar contigo suas ansiedades, preocupações, planos e experiências. Dê espaço pra isso. Ouça muito e os oriente quando necessário.
e) Seja amoroso e compreensivo em casa da mesma forma que é na igreja. Não seja contraditório.
f) Demonstre seu amor pela família. Faça surpresas para os filhos. Faça surpresas para sua esposa. Seja romântico...
g) Tire todo ano suas férias da igreja. Não há justificativas para não fazer isso. Sua família é a primeira igreja que pastoreias.
h) Ensine esses princípios e atitudes aos demais líderes e maridos da igreja que pastoreias. Ensine que o ativismo é um inimigo das famílias cristãs.
 

i) Namore sua esposa. Faça carinhos. Ame-a de palavras e de ações. Ela precisa de você.
j) Seja um amigo de sua família.
Dessa forma, eles confiarão em você para qualquer questão.
k) Não permita que eles tenham um conceito de pastorado como algo que distancia ou separa o pai ou o marido da esposa e filhos. O seu pastorado para eles deve ser motivo de alegria e suavidade e não de opressão e sofrimento.
 
 

l) Seja Feliz e desfrute da felicidade que eles expressarão por ter um marido e um pai presente no lar e na vida deles.
 
Se essas sugestões não fazem parte de sua vida ou nunca pensou nisso com a devida atenção, é hora de parar agora e fazer uma reflexão, uma análise introspectiva de sua vida.
Olhe para sua família, olhe para seu lar, veja se não estão a clamar por ti.
Veja se sua esposa não está sem marido e seus filhos sem pai.

Pastor, cuide de sua família, antes mesmo de cuidar da igreja.
Pastor, por amor a Cristo, cuide de sua família.
Pastor, ouça o que o Espírito lhe diz...
 
 

Pastor, seja feliz !!!

sábado, 14 de março de 2015

ORIGEM DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE}}}}}}}}}}}}}}}}


ORIGEM DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

      A teologia da prosperidade também conhecida como confissão positiva, palavra da fé, movimento da fé e evangelho da saúde e da prosperidade, é um movimento religioso surgido nas primeiras décadas doSéculo XX nos Estados Unidos da América, que afirma, que os que são verdadeiramente fiéis a Deus devem desfrutar de uma excelente situação na área financeira, na saúde, etc., e este ensino tem a sua origem no gnosticismo, que é o termo grego “gnosis”, que significa conhecimento, mas que foi de forma ferrenha combatida na igreja do 1º e 2º século pelo apóstolo Paulo, Pedro, João, e pelos apologistas como Irineu, Tertuliano, Hipólito, e Epifânio, que combateram esta herética doutrina, produto da combinação entre a filosofia grega, do judaísmo e do cristianismo, que defendia a abstinência sexual, e os apetites físicos, mas permitia a libertinagem, e os prazeres da carne, e que foi combatida pelo apóstolo Paulo em Colossenses 2:8-231Coríntios 6:131Coríntios 10:23.
                  O princípio da teologia da prosperidade é originado nos primórdios da Reforma Protestante, no século XVI, pelo calvinismo, que defendia o sucesso econômico, e a conquista de riquezas, que era um sinal da salvação, uma vez, já predestinada por Deus, e obviamente, essa ideologia foi bem recebida pela burguesia comercial daquela época, que estava em ascensão na Europa por uma razão simples, pois, a ganância do lucro era justificada pela ética religiosa calvinista, e em cima das promessas de enriquecimento, a teologia da prosperidade promoveu-se no meio evangélico, atraindo principalmente a população de baixa renda.
      Esta teologia se espalhou como fogo em palha, e possui um ícone, chamado Essek Willian Kenyon, que foi um pastor norte americano da Igreja Batista Nova Aliança, e que foi o fundador da confissão positiva, que afirmava “o que eu confesso eu possuo”, nasceu no condado de Saratoga, no Estado de Nova York, e era filho de William A. Kenyon e Ann Eliza Knox de Hadley, ambos de Nova York, lugar em que viveu até a adolescência, onde se mudou para a cidade de Amesterdam, perto da fronteira canadense, e converteu-se aos 17 anos numa reunião de oração Metodista, mas só se tornou membro aos 19 anos, em Janeiro de 1886, e deu o seu primeiro sermão neste mesmo ano na Igreja Metodista, e aos 21 anos ele trabalhou viajando como vendedor de órgãos e pianos, mas, afastando-se gradualmente da fé cristã tornando-se gnóstico, e em Kenyon 1892 ingressou na Faculdade de Oratório de Emerson, Boston, e lá conheceu a também a gnóstica Evva Spurling com quem se casou, em 8 de maio de 1893, e trabalharam juntos paraAdoniram Judson Gordon, que era um pastor que fundou o Gordon College, que foi pioneiro no ensino para o ministério feminino, então, Kenyon sob a influência do evangelista John Nelson Darby trocou o gnosticismo pela fé cristã.
      A seguir o casal Kenyon aderiu aos Free Will Baptists, que é uma denominação de igrejas, que mantem a posição teológica arminiana tradicional, segue o seguinte princípio:
“Os seres humanos são naturalmente incapazes de fazer qualquer esforço para obter a salvação, que só é possível pela graça de Deus, a qual não pode ser merecida, pois, nenhuma obra de esforço humano pode causar, ou contribuir para a salvação, então, a eleição divina é condicional a fé no sacrifício e Senhorio de Jesus Cristo, já que, a expiação de Cristo foi feita em nome detodas as pessoas, mas Deus permite que sua graça seja resistida por aqueles que livremente rejeitam a Cristo, e afirmam também, que os crentes são capazes de resistir ao pecado, mas não estão além da possibilidade de queda da graça através da persistência, sem o arrependimento do pecado.” (HTTP://PT.WIKIPÉDIAORG/WIKI/CARPEDIEN).
então, seguindo a princípio esta posição teológica Kenyon foi ordenado pastor em 17 de janeiro de 1894, assumindo o pastoreio numa pequena igreja em Elmira, Nova York, e depois em Springville New York, e ai depois pastoriou em Concord New York, porém em 1898 ele rompeu com os Free Will Baptists, e iniciou um trabalho em uma nova igreja, a Assembléia Tabernáculo, localizada no condato de Worceste do Estado deMassachusetts, mas foi transferido em fevereiro de 1900 para Spencer, onde criou o Instituto Bíblico Bethel.
                  E logo após de criar este instituto Kenyon estudou no Emerson College, que era conhecido por ser um centro do movimento “metafísico”, e nessa época ele sofreu influencia pela escritora e cientista Mary Baker Eddy, que foi a fundadora da “Ciência Cristã” em 1866, que era uma religião alicerçada na cura, pois, ela sofria de uma doença crônica, mas que foi curada graças a devoção cristã de sua mãe Abigail Baker, que lia diariamente a Bíblia buscando inspiração para suas orações, nos Salmos e nas promessas bíblicas, devotando em Deus as suas esperança de alcançar a cura completa de sua delicada saúde, então, fundou a primeira igreja da Ciência Cristã, em Boston, nos Estados Unidos, e criou também a Faculdade de Metafísica de Massachusetts, e foi ainda autora do livro-texto intitulado “Ciência e Saúde com a Chave das Escrituras”.
                  Neste livro ela negava a existência não somente da enfermidade, mas da própria matéria, pois, afirmava que tudo o que existe é Deus que é tudo em tudo, e o nosso espírito é uma parte Dele, e portanto, bom, então, não existe o pecado, e nem o mal, pois, para ela o diabo é o mal irreal da mente falsa, e mortal e que a oração não é uma petição, mas sim uma afirmação, e os anjos são somente pensamentos puros da parte de Deus, então, o homem foi e será sempre perfeito, e incapaz de pecar, portanto, não existe inferno, nem juízo, nem um céu literal, e ainda para reforçar os seus ensinos ela alega que a Bíblia deve ser interpretada pela metafísica ou para o leitor e estudioso das Escrituras, esses pensamentos são um total absurdo, mas, a Bíblia nos diz que no mundo entraram muitos enganadores conforme 2João v.7-10.
      Contudo, Mary amontoou uma fortuna com o lucro da venda dos seus livros, que ensinavam como receber a cura das enfermidades, porém, muitas pessoas são enganadas por igreja ditas cristãs, que cantam hinos, e lêem a Bíblia, mas não se dão conta do paganismo de suas doutrinas até serem vítimas do erro que abraçam essa fé num esforço de achar algum escape para a sua vida e o apóstolo Paulo enfatizou a falsa ciência conforme 1Timóteo 6:20.
      Essek Kenyon, continuando os seus estudos na Emerson School of Oratory, e influenciado pela doutrina da “Ciência Cristã” sofreu outra influência quando se encontrou com o novo pensamento do hipnotizador e curandeiro Finéias Parkhust Quimby, conhecido como guru da ciência da mente e foi o fundador do “Novo Pensamento”, que defendia a cura das enfermidades por meio da força de suas mentes, e tal pensamento defende a idéia de que o espírito é a totalidade das coisas reais, e que a verdadeira natureza humana é divina, e o pensamento divino é uma força para o bem, e todas as doenças se originam da mente, e através do “pensamento certo”, que tem um efeito regenerador de cura, e este movimento coloca bastante ênfase no pensamento positivo, e na auto-afirmação, e tal corrente influenciou os seguidores como Mary Baker EddyEmma Curtis Hopkins, que criam no poder da mente.  
      Deste modo, sob as influências destes ensinos Willian Kenyon se empenhou nas campanhas pregando salvação e cura em Jesus Cristo dando ênfase aos textos bíblicos que falam de saúde e prosperidade, e concomitantemente aplicava a técnica do poder do pensamento positivo, e orava pelos enfermos e muitos foram curados, então, influenciado pelas seitas Ciência da Mente, Ciência Cristã e pela metafísica do Novo Pensamento iniciou o movimento chamado “Confissão Positiva”, que foi o precursor da teologia da prosperidade, palavra da fé ou movimento da fé, que influenciou o discípulo de Willian Kenyon por nome Kenneth Hagin, que foi considerado como o “pai” da teologia da prosperidade.
      Kenneth Erwin Hagin, que foi considerado o pai do movimento “palavra de fé”, e foi um dos primeiros pastores protestantes a escrever sobre as filosofias que se tornaram o fundamento do movimentocarismático, e um dos primeiros autores a pregar sobre a teologia da fé, nasceu em McKinney, Texas, em1917 com um sério problema cardíaco, e ficou inválido durante 15 anos, portanto, teve uma infância difícil, principalmente depois dos 6 anos, quando o seu pai abandonou a família, e para piorar antes de completar 16 anos sua saúde piorou, e ele ficou paralítico confinado a uma cama, e a partir dai teve algumas experiências marcantes, pois, afirmou, que após três visitas ao inferno e ao céu, converteu-se a Cristo refletindo sobreMarcos 11:23-24, chegou à conclusão de que era necessário crer, e declarar verbalmente a fé e agir como se já tivesse recebido a bênção da cura.
      Deste modo, ao meditar este texto Bíblico de Marcos ele afirmou a si mesmo “creia no seu coração, decrete com a boca e será seu”, que viria a ser à base do movimento “confissão positiva”, então, após um ano de sua conversão o Senhor Jesus o curou, e recebeu o batismo no Espírito Santo numa pequena congregação interdenominacional no Texas em 1937, e daí em diante Hagin começou a pregar o seu testemunho dizendo como havia sido curado ao declarar que estava curado, e a esta prática chamou de “fórmula de fé”, que dizia:
“1- Diga a coisa positiva ou negativamente, tudo depende do indivíduo, e de acordo com o que o indivíduo quiser, ele receberá, e essa é a essência da confissão positiva.
2 - Faça a coisa, pois, os seus atos derrotam-no, ou lhe dão vitória, então, de acordo com sua ação, você será impedido, ou receberá a vitória.
3 - Receber a benção, compete a nós termos a conexão com o dínamo do céu, onde a fé é o pino da tomada, portanto, basta conectá-lo.
4 - Conte a benção a fim de que os outros possam crer, e fazer a confissão positiva, então, o cristão dever usar as expressões: eu exijo, eu decreto, eu declaro, eu determino, eu reivindico, em lugar de dizer: peço, rogo, suplico, e jamais dizer a expressão “se for da tua vontade”, pois, isto destrói a fé”. MACEDO, Vida com Abundância, p. 36.

      Com esta “fórmula” Hagin afirmava que tudo se pode obter de Deus, desde que confessasse em voz alta, e nunca duvidando da obtenção da resposta, pois, Deus responde automaticamente e realiza o que ordenamos quando confessamos as nossas necessidades e desejos pela fé de maneira positiva, por isso, os cristãos devem supostamente aprender a operar seu homem interior, ou “homem espiritual” no poder do mundo espiritual, mediante as leis sobrenaturais, leis estas que irão funcionar para qualquer indivíduo, quer crente, ou incrédulo, e estas são as premissas da “Confissão Positiva”, que ele defendia.
      Kenneth Hagin, em 1974 fundou o “Centro Rhena de Adestramento Bíblico”, localizado em Oklahoma, e nele disseminou esta sua doutrina palavra da fé”, que enfatizava o poder do crente em adquirir tudo o que quiser, e se caracterizou por pregar saúde e prosperidade como instrumento aferidor da vida espiritual do cristão, ensinando aos seus seguidores a aplicarem a técnica do poder do pensamento positivo, e isto influenciou muitos pastores que aderiram a este “movimento”.
      Dentre eles cito Kenneth Copeland, Frederick Price, Morris Cerullo, Charles Capps, que juntamente com Hagin fundaram a Convenção Internacional de Igrejas da Fé, em Tulsa, Oklahoma, e para fundamentar a sua teologia, os seus expoentes apresentavam um Jesus rico, e próspero, que vivia numa casa grande, administrando muito dinheiro, por isso, precisava de um tesoureiro, e tal absurdo, é refutado em2Coríntios 8:9, que nos diz: “Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre para que pela sua pobreza enriquecêsseis”, mas, esta heresia se alastrou nos centro “Rhema”, pois, eram de caráter interdenominacional.
      Atualmente, este centro “Rhema” conta com seis concentrações ministeriais todas elas voltadas para o ministério infantilministério jovem, missões, evangelismotrabalho pastoral, e sustentação à missões, que é dirigida pelo seu filho Kenneth Hagin Jr.,  logo após a morte de seu pai, e estes centros estão presentes na AustráliaBrasilColômbiaAlemanhaÍndiaIndonésiaItáliaMéxicoPeruRomêniaSingapuraÁfrica do Sul, na Oceania e na Tailândia, e no Brasil existem, cerca de trinta centros de treinamento do “Rhema”, que estão espalhados nas grandes capítais brasileiras, e o seu líder no Brasil é o apóstolo “Bud Wright”, que também é o presidente da Igreja Evangélica Verbo da Vida.
      Kenneth Hagin em 1934 começou seu ministério como pregador batista e três anos depois se associou aos pentecostais, e recebeu o batismo com o Espírito Santo e falou em línguas, e no mesmo ano foi licenciado como pastor das Assembléias de Deus e pastoreou várias igrejas no Texas, mas em 1949 começou a envolver-se com pregadores independentes de cura divina, e em 1962 fundou o seu próprio ministério, e em 1966 fez da cidade de Tulsa, em Oklahoma, a sede de suas atividades onde criou o “Seminário Radiofônico da Fé”, a “Escola Bíblica por Correspondência Rhema”, o “Centro de Treinamento Bíblico Rhema”, e publicou as revistas “Word of Faith” e a “Palavra da Fé”, e outros recursos ainda foram utilizados como as fitas cassete e mais de cem livros e panfletos, e tudo isto fez muitos adeptos por todo o mundo evangélico.
      Hagin dizia ter recebido a unção divina para ser mestre e profeta, pois, alegou nos anos 50 ter tido 8 visões de Jesus, bem como diversas outras experiências fora do corpo, que segundo ele, afirmava que os seus ensinos lhe foram transmitidos diretamente pelo próprio Deus mediante revelações especiais, todavia, ficou comprovado posteriormente que ele se inspirou grandemente em Kenyon, a ponto de copiar, quase palavra por palavra, livros inteiros desse antecessor, e em uma tese de mestrado na Universidade Oral Roberts o Dr. McConnell demonstrou que muito do que Hagin afirmava ter recebido de Deus não passava de plágio dos escritos de Kenyon, e a explicação bastante suspeita dada por Hagin é que o Espírito Santo havia revelado as mesmas coisas aos dois.
      Kenneth Hagin, também dirigiu inúmeras campanhas evangelísticas, e pregou diversas vezes, e foi um pioneiro do evangelismo pelo rádio, e os seus programas serviram de base para muitos de seus escritos, que cunhou muitas expressões populares do movimento da fé, como “o que eu confesso, eu possuo”, e os seus ensinos influenciaram um grande número de pregadores norte-americanos, a começar de Kenneth Copeland, Benny Hinn, Frederick Price, John Avanzini, Robert Tilton, Marilyn Hickey, Charles Capps, entre outros.
      Estes discípulos de Hagin, em 1979 fundaram a Convenção Internacional de Igrejas e Ministros da Fé, e nos anos 80, os ensinos da confissão positiva e do evangelho da prosperidade chegaram ao Brasil, e um dos primeiros a difundi-lo foram os pastores Rex Humbard, Marilyn Hickey, John Avanzini e Benny Hinn, que participaram de conferências promovidas pela “Associação de Homens de Negócios do Evangelho Pleno”, e neste movimento estavam a Igreja do Verbo da Vida, e o Seminário Verbo da Vida ambos em Guarulhos, a Comunidade Rhema de Morro Grande, e a Igreja Verbo Vivo de Belo Horizonte.
      E ainda outros líderes de outras denominações como o pastor Jorge Tadeu, das Igrejas Maná de Portugal, Cássio Colombo, ou “tio Cássio” como é conhecido, do Ministério Cristo Salva, em São Paulo, o “apóstolo” Miguel Ângelo da Silva Ferreira, da Igreja Evangélica Cristo Vive, no Rio de Janeiro, e R. R. Soares, da igreja Internacional da Graça, responsável pela publicação da maior parte dos livros de Hagin no Brasil, Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, e também a pastora Valnice Milhomens, líder do Ministério Palavra da Fé, aderiram este movimento, passando a seguir a doutrina de Hagin.
      Assim, as igrejas brasileiras sofreram o impacto de uma avalanche de livros, fitas e apostilas sobre a “confissão positiva”, e com os livros escritos de maneira extremamente simples, Hagin conseguiu influenciar os rumos da igreja no Brasil mais do que qualquer outro líder religioso nos últimos tempos, porém, os seus ensinos questionáveis sobre a fé, a oração e as prioridades da vida cristã, e de relativizar a importância das Escrituras por meio de novas revelações, apresentaram outras ênfases preocupantes no seu entendimento de Deus, de Jesus Cristo, do ser humano, da salvação, da vida de renuncia, e da soberania divina.
      Estas discrepâncias fizeram com que a partir dos anos 80, várias denominações pentecostais norte-americanas se posicionaram contra os excessos desse movimento iniciado por Hagin, e os autores como Charles Farah, Gordon Fee, D. R. McConnell e Hank Hanegraaff, todos escreveram obras contestando a “confissão positiva”, bem como, as suas implicações, e ainda afirmaram, que embora essa teologia pareça uma maneira empolgante de encarar a Bíblia, ela se distancia em pontos cruciais da fé cristã histórica, e ainda foram publicadas no Brasil obras criticando este movimento herético pelos apologistas Alan B. Pieratt, que escreveu “O Evangelho da Prosperidade”, Ricardo Gondim, que escreveu “O Evangelho da Nova Era”, e Paulo Romeiro que escreveu “Supercrentes”, “Decepcionados da Graça”, que de forma apologética alertaram as igrejas evangélicas para esses perigos, porém tristemente, vários grupos, principalmente os que têm visibilidade na mídia, estão cada vez mais comprometidos com essa teologia desconhecida da maior parte da história da igreja.
      Desta forma, os adeptos de Hagin ao defenderem e legitimarem os valores da sociedade secular como a riqueza, o poder e o sucesso, oferecendo às pessoas o que elas ambicionam, e não o que elas realmente necessitam aos olhos de Deus, que é uma vida de dependência, de renúncia, de santidade, e que estão presentes nas vidas nascidas de novo pelo novo nascimento, com a presença inegável dos frutos do Espírito Santo, mas sob a permissão de Deus tais igrejas, da teologia da prosperidade crescem de maneira impressionante, mas perdem grande oportunidade de produzir um impacto salutar e transformador na sociedade brasileira, pois, os seus lideres perderam a visão do Reino de Deus, porém, é inegável que o movimento iniciado por Hagin impulsionou sobremaneira o crescimento da igreja evangélica no Brasil, principalmente através do uso intenso da mídia eletrônica dos televangelistas, que com a utilização da neurolinguistica nas pregações, tem atraído um grande número de pessoas mas, que perdem uma oportunidade de produzir um impacto transformador na igreja de Deus.
      Deste modo, a teologia da prosperidade adicionou um forte cunho de auto-ajuda e valorização do indivíduo, agregando às crenças sobre cura, prosperidade, e poder da fé através da confissão da “Palavra” em voz alta e no “Nome de Jesus” para recebimento das bênçãos almejadas, por meio da “confissão positiva”, o cristão compreende que tem direito a tudo de bom, e de melhor que a vida pode oferecer como a saúde perfeita, riqueza material, poder para subjugar Satanás, uma vida plena de felicidade, sem problemas, porém, tal conceito é a marca registrada do antropocentrismo, e do hedonismo, e que estão presentes nas igrejas neo-pentecostais, mas, que tem infelizmente tem fisgado muitos pastores de igrejas ditas outrora de tradicionais, e que estão atraindo com seus tentáculos do engano diversos pastores mercenários, que publicam as suas heresias através de toneladas de livros, manuais, Bíblias de Estudo para empresários, DVDs, CDs, filmes e até grifes que movimentam muito dinheiro, e tais materiais por infelicidade, se tornaram parte do cotidiano de muitos crentes, que estão com os seus lábios cheios de clichês como “eu profetizo”, “eu determino”, “eu reivindico”, “eu tomo posse”, “eu exijo meus direitos”,“eu não aceito esta situação”, “eu resgato”, ou o absurdo do “eu ordeno a minha benção”, tem as suas origens no gnosticismo, que ensina uma espécie de dualismo, aonde o material é mau, e o espiritual é bom, e esta herética doutrina gnóstica está camuflada nos dias atuais, embora com uma nova roupagem, mas que se enraíza de forma sorrateira entrando em muitas Igrejas atraindo dia a dia os “gigolôs da prosperidade”, que pregam a Palavra de Deus por torpe ganância conforme Tito 1:11 e 1Pedro 5:2, e induzem as pessoas a acreditarem no poder das “inúmeras correntes”, campanhas de “números dias”, e ainda nas campanhas de óleos de Israel, sal ungido, sabonetes, banhos de descarrego, etc., e tudo isto são adaptações do gnosticismo.
      Estes “profissionais do altar” ensinam aos seus adeptos a visualizarem a saúde e a riqueza pela fé na fé, que num sistema gnóstico acrescentado de um sincretismo religioso, a teologia da prosperidade, ou “confissão positiva”, pois, vimos nesta monografia, que este movimento teológico não teve origem em nenhum movimento evangélico nem tão pouco se encontra nos ensinos da Bíblia, já que, a sua raiz primária está no pensamento gnóstico, porém, esta teologia não prega na íntegra todos os ensinos do gnosticismo, mais sim parte deles e algumas adaptações destes ensinos, portanto, é um gnosticismo camuflado, que são pregados pelos “cães”, que se introduziram nos púlpitos convertendo em dissolução a graça de Deus, e negando a Deus, que é o Único dominador, e que vituperam a Palavra de Deus, e como animais irracionais se corrompem levados pelo engano do prêmio de Balaão.
      Atualmente, o ministério de Kenneth Hagin é hoje um dos maiores do mundo e a sua influência tem se espalhado por muitas partes do globo, mas que no Brasil segundo o professor e pastor Paulo Romeiro, a Escola Bíblica de Hagin já formou cerca de 6.600 alunos, e a revista Word of Faith, ou a “Palavra da Fé”, que como vimos pertence a este movimento, e que são enviadas para 190 mil lares, e mensalmente calcula-se que cerca de 20 mil fitas cassete de estudos são distribuídas a cada mês, e ainda foram vendidos cerca de 33 milhões de cópias de seus 126 livros e panfletos, e os bens da organização estão avaliados em 20 milhões de dólares, e o pastor Romildo R. Soares, que é o líder da Igreja Internacional da Graça de Deus, é responsável pela publicação da maioria dos livros de Kenneth Hagin no Brasil.
      Segundo o professor e pastor Paulo Romeiro em entrevista ao Instituto Cristão de Pesquisa, ou “ICP”, fez a seguinte afirmação:
“Os porta-vozes da doutrina da prosperidade não medem esforços para conseguir arrecadações e levantamento de fundos, chegando até mesmo a chorar e a profetizar enquanto pedem dinheiro nos seus programas de televisão, e os livros Hagin a respeito da confissão positiva já alcançou repercussão significativa nos meios de comunicação, especialmente na televisão.
E nestes movimentos de fé a ênfase da prosperidade financeira é bastante acentuada, porém, são semelhantes com as práticas iconoclasticas da Idade Média, que substitui a idolatria, por metodologias visuais e palpáveis, pois, fazem uso das rosas, copos com água, medalhas com inscrições, cruzes, lenços, retalhos dos ternos que são rasgados pelos pastores, os portais da felicidade, réplicas da Arca do Concerto, além, de objetos sem nenhum valor financeiro, que são supostamente importadas de Israel, tais como, água do rio Jordão, azeite de Israel, etc.
E ainda defendem a maldição hereditária, ensinando que o recebimento das bênçãos de Deus está relacionada com a confissão que fazemos, de modo que a fé é reduzida à uma mera confissão positiva, e por causa disso, muitos membros dessas igrejas vivem frustrados, pois, temem pronunciar maldições que interfiram em seu progresso espiritual.
A cura física também deve ser pronunciada, utilizando um jargão próprio do neopentecostalismo,“está decretado”, e é comum assistir na TV os pregadores da prosperidade ensinando os crentes a dar ordens em Deus, então, o Senhor Soberano foi substituído por um Deus vassalo, que está sempre disposto à acatar ordens e tudo sem reclamar.”. ICP/ARQUIVO/VIDEO/ENTREVISTA: “SUPER CRENTES
      Este vídeo consta nos arquivos do ICP e o episódio é citado por Paulo Romeiro no lançamento do seu livro “Super Crentes”, onde afirma que a enfermidade é conseqüência da falta de fé, ou pecado na vida do crente constitui-se numa falácia bíblica, pois:
“Basta examinar as Escrituras para notarmos, que verdadeiros servos de Deus passaram privações, e dificuldades em suas trajetórias a serviço do Senhor, e para ratificar o profeta Eliseu, que apesar de ter sido um grande profeta de Deus, e de ter tido um ministério marcado por muitos feitos sobrenaturais, morreu em conseqüência de sua enfermidade.
Será que ele não tinha fé ou estava em pecado? Muito pelo contrário, pois a Bíblia diz que um soldado morto, após ser colocado na sepultura de Eliseu, tocou em seus ossos e ressuscitou conforme 2 Reis 13:14-21.
E, outro, exemplo é o de Jó, em que o seu sofrimento não foi causado por confissões pessimistas, pecados ocultos ou falta de fé, nem tampouco foi o diabo quem decidiu provar Jó, já que, a iniciativa partiu de Deus.
Contudo, a Igreja se tornou uma prestadora de serviços espirituais, por terem abraçado a {Confissão Positiva}, e muitas igrejas, hoje, correm atrás de {clientes}, fazendo-lhes propostas mirabolantes, e com isso, há uma competição acirrada com as {concorrentes}, e as pessoas ficam confusas porque, ao ligarem a televisão, ou o rádio, ouvem a frase:
Se você está precisando de oração, nós vamos orar por você, e se você não tem fé, não se preocupe, nós temos fé para você, pois, nossa oração é forte, e afasta a energia negativa, o encosto, mal olhado, afastando também qualquer praga e maldição, que foi lançada contra a vida financeira e sentimental, e se está precisando de libertação venha para nossa igreja, porque aqui nós pisamos na cabeça do diabo. ICP/ARQUIVO/VIDEO/ENTREVISTA: “SUPER CRENTES”
 
      Desta forma, o professor e pastor Paulo Romeiro finalizando esta entrevista ao ICP afirmou, que essas igrejas, que pregam a teologia da prosperidade estão continuamente buscando “clientes”, e não verdadeiros adoradores, que adoram a Deus em espírito e em verdade, então, precisamos acabar com esta mentalidade de que a igreja é uma “prestadora de serviços espirituais”, e neste imediatismo às pessoas têm vindo à igreja, mas, querem apenas a prestação de serviço, e se o “serviço” não for do jeito, que elas querem, então, estas pessoas migram para uma outra denominação “concorrente”.
      A seguir, abordarei a respeito do neopentecostalismo e sua origem, que à luz da ortodoxia, é uma teologia mal elaborada, eclético-pragmática, que busca os resultados mais que a pureza doutrinaria, então desvirtua o crente, levando-o a buscar a prosperidade terrena, quando a prioridade dele deveria ser o de “buscar as coisas que são de cima” conforme Colossenses 3:1, pois, Cristo em sua mensagem falou sobre a necessidade de negar-se a si mesmo, e tomar a cruz, e ainda disse que “no mundo, tereis aflições”, conforme João 16:33, e Paulo diz em 1Coríntios 15:19, que diz: “se esperamos em Cristo só nessa vida, somos os mais miseráveis de todos os homens”, então, essa mensagem triunfalista dos pregadores da prosperidade, podem caber num discurso político onde a avareza prima sobre o caráter, mas não cabe nos lábios de Cristo, ou dos apóstolos, e nem na verdadeira igreja evangélica.

sexta-feira, 13 de março de 2015

Sorte em hebraico


Em hebraico, “antes” se diz “à frente” (lifnei =לפני) e “depois” se diz “atrás” (acharei = אחרי). Será que no passado distante os primeiros falantes do hebraico imaginavam assim a passagem do tempo? Provavelmente… Aliás, hoje em dia temos o Norte como direção de referência, mas segundo o hebraico, antigamente o Leste era a referência. Uma palavra para oriente é “para frente” (kadima = קדימה), conforme aparece no hino israelense. Sul se dizia Teyman, que é derivado de direita (yamin = ימין), e hoje significa Yemen. O Mar Mediterrâneo é chamado de “mar de trás” em Deuteronômio 11:24 (hayam haachori = הים האחורי). Esta forma de localização espacial também aparece na língua portuguesa: quando alguém está perdido, dizemos que está “desorientado”, perdeu o oriente.
Route_ninety
Em hebraico existe uma expressão única, que é usada quando alguém compra ou ganha algo novo. Diz-se à quem ganhou: “renove-se” (תתחדש = titchadesh). A expressão pode ser usada para todo tipo de bem material, desde algo pequeno como uma camiseta, até algo grande como um carro ou apartamento. É como dizer um “parabéns” por estarmos felizes com a novidade material de outra pessoa.
Falando em parabéns, em hebraico a expressão é mazal tov (מזל טוב), que literalmente significa boa sorte. Como se diz boa sorte então? Behatzlacha (בהצלחה), que significa “com sucesso”. Em hebraico ninguém precisa de sorte antes de uma prova, apenas de sucesso. E se dá tudo certo, então sim a pessoa recebe boa sorte!
Em hebraico não se toma uma decisão. Decisões se recebem (lekabel hachlata = לקבל החלטה). Se recebe de quem?? Isso já é uma discussão filosófica, senão teológica. Resfriados também “se recebem” (השפן קיבל נזלת). Recebi um resfriado. Isso pelo menos é mais lógico que em português, porque você não precisa querer algo para recebê-lo (uma multa, por exemplo), mas não é muito óbvio por que alguém queira “pegar” um resfriado.
שפן
Quando um pai oferece água para seu filho, ele não diz “você quer beber água”, nem “você quer água”. A frase mais comum mesmo é “você quer beber?”. Cada vez que estou na rua e escuto isso, leva um tempo pro choque inical passar.
A palavra mais versátil da língua hebraica é “isto” (ze = זה). Sempre que você não encontra a palavra certa no fim de uma frase, pode-se dizer “isto”, e as pessoas balançam a cabeça como se tivessem entendido. “Eu fui à festa com o João, Maria e… e isto”. “Na faculdade estudei economia, sociologia e… isto”. Lembra um pouco o “trem” mineiro.
זהו זה
“Mesmo que” em hebraico é “afilu im” (אפילו אם). Afilu é uma junção de duas palavras: Af (também) e ilu (se). Ilu por sua vez, é uma junção de im (se) e lu (se). No final das contas, quando se diz “mesmo que” , se está dizendo na verdade “também se se se”. Exemplos assim são comuns em várias línguas. Por exemplo, “hoje” em francês se diz aujourd’hui, que é uma junção de au +‎ jour +‎ de +‎ hui, literalmente “no dia de este dia”. O francês que disser “no dia de hoje” (au jour d’aujourd’hui), está na verdade dizendo “no dia do dia deste dia”.
Expressões com origem nas partes do corpo humano: 
“por causa de” se diz “da face” (mipnei = מפני), 
“ao lado” se diz “sobre a mão” (al yad = על יד), 
“na ocasião de” se diz “à perna” (leregel = לרגל), 
“anteriormente” se diz “da cabeça” (merosh = מראש), 
“de toda forma” se diz “sobre toda face” (al kol panim = על כל פנים), 
“vivo” se diz “alma em seu nariz” (neshama beapo = נשמה באפו), 
“escrito preto no branco” se diz “escrito preto nas costas do branco” (katuv shachor al gabei lavan = כתוב שחור על גבי לבן), 
“unanimamente” se diz “uma boca” (pe echad = פה אחד), 
“em sua imaginação” se diz “nos olhos de seu espírito” (beeinei rucho = בעיני רוחו), 
uma coisa “falsa, inventada” se diz “chupado do dedo” (matzutz min haetzba = מצוץ מן האצבע),
“escapar a duras custas” se diz “escapar com a pele de seus dentes” (lehimalet beor shenav = להימלט בעור שניו),
“estou de saco cheio” se diz “meu pinto quebrou” (nishbar li hazain = נשבר לי הזין). Mulheres podem dizê-lo, tanto em português como em hebraico.
זין

 As imagens não tem explicação mesmo, ficam de desafio para os leitores descobrirem o que significam.

O ACASO NÃO EXISTE - LEIA A BÍBLIA!!!


O ACASO NÃO EXISTE - LEIA A BÍBLIA!!!




"E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. (Romanos 8:28)
 

SORTE OU DESTINO


Pergunta: O que Bíblia diz sobre sorte ou destino?

Resposta:  Este é um assunto muito complexo e vamos começar pelo que a Bíblia não ensina. Sorte é o que se imagina a respeito de eventos em um curso predeterminado, além do controle humano. Uma típica resposta a esta crença é a resignação: se não podemos mudar o destino, então para que tentar fazê-lo? O que porventura acontece, acontece e nada podemos fazer sobre o assunto.  Isto se chama “fatalismo” e não é bíblico.

         O fatalismo  é,  principalmente, uma premissa do Islamismo, o qual exige submissão total à soberania de Alá. Ele é amplamente mantido, também, pelo Hinduísmo; de fato, é uma visão fatalista da vida, a qual ajuda a manter em funcionamento o sistema de castas da Índia. A mitologia grega fala de Moirai ou de Sortes, três deusas retratadas como tecelãs das vidas dos homens. Suas decisões não podem ser canceladas nem mesmo por outros deuses.  Novamente, o fatalismo não é um conceito bíblico.

 

Sorte e Destino - Nosso Livre Arbítrio


         A Bíblia ensina que o homem foi criado com a capacidade de fazer escolhas morais e que ele é responsável por essas escolhas. A queda do homem não foi um evento predeterminado, no qual Adão e Eva foram vítimas indefesas de um Deus mestre em manipular marionetes. Pelo contrário, Adão e sua esposa tinham a capacidade de escolher a obediência (com a bênção correspondente) ou a desobediência (com a conseqüente maldição). Eles sabiam qual seria o resultado de sua decisão, tendo se tornado responsáveis. (Gênesis 3).
        Este tema de nos tornarmos responsáveis pelas nossas escolhas prossegue através de toda a Escritura.

Provérbios 22:8 
- “O que semear a perversidade segará males; e com a vara da sua própria indignação será extinto”.

Provérbios 14:23 -  
“Em todo trabalho há proveito, mas ficar só em palavras leva à pobreza”. 

Romanos 13:3 - 
“Porque os magistrados não são terror para as boas obras, mas para as más. Queres tu, pois, não temer a potestade? Faze o bem, e terás louvor dela”.
            Muitas vezes, quando a Bíblia fala sobre destino, ela se refere ao destino que uma pessoa acarreta sobre si mesma.

Filipenses 3:18-19
 - “Porque muitos há, dos quais muitas vezes vos disse, e agora também digo, chorando, que são inimigos da cruz de Cristo, cujo fim é a perdição; cujo Deus é o ventre, e cuja glória é para confusão deles, que só pensam nas coisas terrenas." 

Provérbio 6:32 - 
“Assim, o que adultera com uma mulher é falto de entendimento; aquele que faz isso destrói a sua alma”.

Apocalipse 20:13 - 
“...e foram julgados cada um segundo as suas obras”. 
 

         Pecamos porque escolhemos pecar. Não podemos culpar a “sorte”, a kismet (sorte em árabe), a predestinação ou Deus. Tiago 1:13-14 diz: 
“Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta. Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência”. 
            Interessante é que muitas pessoas,  que escolhem pecar, ficam aborrecidas com as consequências negativas do seu pecado.

Provérbio 19:3 - 
“A estultícia do homem perverterá o seu caminho, e o seu coração se irará contra o SENHOR”. 
            Este verso é bastante indicativo. Quando um homem destroi totalmente a sua vida, ele até pode insistir em culpar Deus ou talvez a “sorte”. Neste caso, ele persiste em sua tolice.

         A Escritura também ensina que devemos escolher ter fé. O comando repetido da Escritura em crer implica em que temos uma escolha no assunto:

João 20:27 - 
“e não sejas incrédulo, mas crente”. (Ver também Atos 16:31 e 19:4).

 

Sorte e Destino - A Soberania de Deus


         Para evitar uma idéia errônea, não somos os soberanos mestres de nossa sorte. Só Deus é soberano! O Seu controle soberano é chamado “providência”. Ele escolheu dar-nos o livre arbítrio e criou um universo moral, no qual a lei da causa e efeito é uma realidade. Mas Deus é o único Deus e não há “acidentes” no universo.

         Um Deus Onisciente, Todo-Poderoso deve ter um plano, de modo que não deve ser surpresa que a Bíblia fale de um plano divino. O plano de Deus, visto pertencer a Deus, é santo, sábio e benevolente. A providência de Deus age no sentido de realizar o Seu plano original para a criação.

         Deus fala em Isaías 48:3: 
“As primeiras coisas desde a antiguidade as anunciei; da minha boca saíram, e eu as fiz ouvir; apressuradamente as fiz, e aconteceram”. O que Deus anuncia, Ele faz e tudo pode anunciar com séculos de antecedência.

         Lutar contra o plano de Deus é inútil: 
“Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o SENHOR”. (Provérbio 21:30). Esta foi a razão porque a Torre de Babel jamais foi completada (Gênesis 11:1-9); porque os detratores de Daniel foram atirados aos leões (Daniel 6:24); porque Jonas ficou um tempo no ventre de um  peixe (Jonas 1:17) e porque eu sempre tenho problema, quando peco.

         Até mesmo o que nós chamaríamos “chance” ou “sorte” está sob o controle de Deus: 
“A sorte se lança no regaço, mas do SENHOR procede toda a determinação” (Provérbio 16:33).

         Tudo que acontece no mundo é feito para funcionar segundo o propósito de Deus. O mal existe, mas não lhe é permitido transtornar a providência de Deus. Deus usa até mesmo o homem pecador para os Seus propósitos:
 “COMO ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer”. (Provérbio 21:1). Deus operou no coração dos egípcios (Êxodo 12:35) e do Rei Artaxerxes (Esdras 7:27), a fim de realizar o Seu propósito. Mesmo quando o intento do homem é totalmente mau, Deus ainda pode realizar a Sua vontade, como no caso dos que crucificaram Jesus (Atos 2:23; 4:27-28).

         O plano de Deus inclui uma recompensa para os que nEle confiam e Ele promete glorificar os Seus filhos: 
“Mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; a qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória. Mas, como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam”. Observem a palavra “destinou” nesta passagem, um destino embasado em nosso amor pelo nosso  Senhor.

Sorte e Destino - Um Plano Individual


         A soberania de Deus alcança até mesmo um plano para nossas vidas individuais. Isto está registrado no chamado de Deus a Jeremias - mesmo antes dele ter nascido:

         
“Assim veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta” (Jeremias 1:4-5).

         Davi também reconheceu que o Senhor tinha um plano para ele, conforme o Salmo 139:16: 
“Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia”. 

         Por causa deste conhecimento, Davi buscou a específica orientação do Senhor, em muitas situações, tais como é visto no 1 Samuel 23:9-12: "Sabendo, pois, Davi, que Saul maquinava este mal contra ele, disse a Abiatar, sacerdote: traze aqui o éfode. E disse Davi: Ó Senhor, Deus de Israel, teu servo tem ouvido que Saul procura vir a Queila, para destruir a cidade por causa de mim. Entregar-me-ão os cidadãos de Queila na sua mão? Descerá Saul, como o teu servo tem ouvido? Ah! Senhor Deus de Israel! Faze-o saber ao teu servo. E disse o Senhor: Descerá. Disse mais Davi: Entregar-me-ão os cidadãos de Queila, a mim e aos meus homens, nas mãos de Saul? E disse o Senhor: Entregarão."

Sorte e Destino - Juntando Tudo isto


         Em Atos 9:5, Jesus aparece a Saulo de Tarso com uma declaração interessante: 
“E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões”.

         Obviamente, Jesus tinha um plano para Saulo, contra o qual Saulo havia resistido (penosamente). Exercer nossa liberdade contra o plano de Deus pode ser penoso.

         Mais tarde, Jesus disse a Saulo que um homem chamado Ananias iria visitá-lo, quando, então, Jesus disse a Ananias: 
“Levantate, e vai à rua chamada Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando; e numa visão ele viu que entrava um homem chamado Ananias, e punha sobre ele a mão, para que tornasse a ver” (versos 11-12). Obviamente, Jesus tinha um plano prearranjado, também, para Ananias. Ora, Ananias não queria visitar Saulo (versos 13-14). Ele poderia ter agido como Jonas, tomando outro caminho. Se tivesse sido esta a sua escolha, Deus teria um “peixe” preparado para trazê-lo de volta. Ananias obedeceu (verso 17). Exercer nossa liberdade para seguir o plano de Deus traz bênção.

         Em suma, a Bíblia ensina que Deus está no controle. Ao mesmo tempo, Ele nos deu liberdade para obedecê-Lo ou desobedecê-Lo e existem algumas coisas que Deus faz somente em reposta à oração: 
“Cobiçais, e nada tendes; matais, e sois invejosos, e nada podeis alcançar; combateis e guerreais, e nada tendes, porque não pedis”. 
            Deus abençoa o obediente e é longânimo com os desobedientes, ao ponto de parecer lassidão. Ele tem um plano para nossas vidas, o qual inclui nossa felicidade e Sua glória, tanto neste mundo como no mundo porvir. Os que aceitam Cristo como Salvador, aceitaram o plano de Deus (João 14:6). E a partir daí, passo a passo, tudo se encaminha para o melhor que Deus tem para nós, quando oramos para que a Sua vontade seja feita (Mateus 6:10) e evitamos as armadilhas do pecado (Salmo 32:1-11: 119:59; Hebreus 12:1-2).